segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

À F.H.A. (uma pessoa de um passado distante e empoeirado, dos tempos em que eu ainda não era eu)

Eu costumo dizer que nunca amei ninguém, mas a pessoa que cheguei mais perto de amar foste tu. Mas é claro, eu era - e continuo sendo - inábil para o amor. Eu nunca soube como amar e, talvez por isso, te feri. Perdoa. Tudo o que eu queria era te amar.

Um comentário:

LivroPronto disse...

Olá!

A LivroPronto Editora convida você, autor, para uma conversa sobre a publicação de sua obra.

Escreva para nós!
gabriela@livropronto.com.br

Um grande abraço!