sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Desabafo

Lágrimas. Mais lágrimas. Lágrimas de novo. Belas lágrimas. Lágrimas inúteis. Não sei por que o vinho sempre me traz lágrimas. E revolta. Esta revolta alcoolizada que encontra a sua redenção em lágrimas induzidas. Perguntei sempre e pergunto mil vezes mais: pra que tudo isso? Porque é isso que eu sou. “Sou um animal sentimental, me apego facilmente ao que desperta o meu desejo.”

Someone call the ambulance there's gonna be an accident.” Não estou no País das Maravilhas e não estou nas trevas. Estou neste meio-termo morno, “mastigando essa coisa porca sem conseguir engolir nem cuspir fora nem esquecer esse gosto azedo na boca.” Mas daí eu te pergunto: pra que serve tudo isso? “A única recompensa é aquilo que Laing diz que é a única coisa que pode nos salvar da loucura, do suicídio, da auto-anulação: um sentimento de glória interior.

Crio mais um personagem. Vomito minhas angústias em palavras. Finjo ser outro. Fujo. Again, again & again. Quantas vezes eu já mandei tudo se fuder? Todas.

E de que me serve tudo isso?!

...

Assim eu vou sobrevivendo.

2 comentários:

C.J. disse...

E isso não serve para absolutamente nada mas faz parte do jogo. Vamos vivendo, vamos vivendo...

Le disse...

acho que tu tinha que ler Sartre... ou tu já leu? acho que tinha comentado comigo que não leu, mas enfim... eu tenho um livro, se quiser ;)


mas... ahm. talvez não adiante, não sei em que situação tu passa, mas a minha "filosofia de vida" ultimamente tem se baseado em "tu tem duas escolhas a fazer sobre os fatos que acontecem na tua vida: ver o lado bom, ou o ruim."